[Livro] Labirinto por Jim Henson e A.C.H. Smith

18/03/2017



Labirinto: A Magia do Tempo é um filme fantasia que foi lançado em 1986, dirigido por  Eric Rattray e George Lucas, que tinha no elenco David Bowie e a até então novinha Jennifer Connelly em um dos seus primeiros trabalhos. Bem provavelmente você se lembre dele pela quantidade de repetições que ele teve na Sessão da Tarde. Ou talvez, como eu, nem tanto.

Eu admito que não lembrava muita coisa do filme já que ele se encontrava bem perdido na minha mente. Entretanto no final do ano passado, eu resolvi adquirir a edição lindíssima da novelização do filme, trazida ao Brasil pela Darkside Books. Sim eu fiz o pecado de (re)ver o filme antes ler o livro, mas isso não fez a experiência de leitura menos prazerosa. 


Titulo original: Labyrinth: The Novelization 
Autores: A.C.H. Smith; Jim Henson 
Editora: Darkside Books 
Ano: 2016 
Páginas: 272 
Sinopse: Tudo começou em um pequeno labirinto real na cabeça de James Maury, mais conhecido pelo nome de Jim Henson. O cartunista, músico, roteirista, designer e diretor sabia acessar como ninguém o coração das pessoas e o seu maior dom foi dar vida a seres inanimados. A nova geração pode não lembrar do seu nome, mas com certeza tem seus personagens gravados na memória: Os Muppets, Vila Sésamo, Muppets Babies e até a inesquecível Família Dinossauro.
Além deste, Henson também criou fábulas como Labirinto, em parceria com George Lucas, filme que encantou toda uma geração quando foi lançado, há 30 anos, com David Bowie como Jareth, o Rei dos Duendes, e também responsável pela trilha sonora, e uma jovem Jennifer Connelly no papel de Sarah, a protagonista que deseja que os duendes levem Toby, seu meio irmão e – para seu espanto – é atendida. Arrependida, ela é desafiada pelo Rei dos Duendes a atravessar o sombrio Labirinto, repleto de perigos e seres mágicos.
A novelização de Labirinto finalmente é publicada em português, em uma edição à altura do mestre. Escrita por A.C.H. Smith em parceria com Henson, a edição apresenta pela primeira vez as ilustrações dos duendes feitas por Brian Froud, que trabalhou no filme, além de trechos inéditos e nunca vistos com 50 páginas do seu diário, detalhando a concepção inicial de suas ideias para Labirinto, comemorando os 30 anos do filme em grande estilo. 

Sarah, a nossa protagonista é uma jovem de 15 anos que mora com a madrasta, seu pai e seu irmãozinho que ainda é um bebê. Sarah, como qualquer adolescente que enfrenta um abandono e tem que passar por esse período conturbado da vida, tem alguns comportamentos um tanto rebeldes, mas nada que a torne uma pessoa depressível. Assim como a mãe, que a deixou para ser criada pelo pai, Sarah tem o desejo de se tornar uma atriz. Isso faz com que ela tenha alguns comportamentos um tanto “artísticos”  exagerando um tanto quanto a suas reações. O livro começa com Sarah se sentindo reprimida por sua madrasta e as regras de sua casa e o fato que ela tem que cuidar do seu irmãozinho para que seu pai e a madrasta possam sair. Ao seu ver isso é ofensivo, já que isso encurta o tempo que ela tem para continuar encenando as cenas que tanto ama. 

Sarah é um tanto irritante no começo da história. Logo que retorna para casa após a discussão que tem com seus pais antes deles saírem, a jovem vai para seu quarto e fica irritada quando percebe que o seu santuário foi violado. O aparente sumiço de um urso de pelúcia a faz ficar furiosa com seu irmãozinho, e é ai que a aventura de Sarah começa.


“Rei dos duendes!
Rei dos duendes!
Quero que seja assim:
Venha e leve esta criança
Para bem longe de mim!”


Sem saber qual será o efeito de suas palavras, Sarah invoca o Rei dos Duendes, Jareth para que ele o leve dali e suma de vez com os seus problemas. Ela não contava que seu desejo fosse rapidamente atendido, e mesmo se arrependendo no instante seguinte, o Rei dos Duendes decreta: Sarah tem apenas 13 horas para entrar no labirinto que cerca seu palácio e resgatar seu irmão, caso não consiga ele se tornara um duende para sempre. 

Eu não gostei muito de Sarah no filme, e mesmo não gostando dela durante o começo do livro admito que sua evolução ao longo do livro  me fez terminar a história muito mais feliz do que eu terminei o filme. Sarah é uma personagem sim com muitos defeitos (ela é birrenta e petulante o que sim irrita), mas é possível ver que ela ama sim seu irmão, se não, não teria entrado nessa jornada de redenção pelo seu ato. Sarah é um pouquinho de todos nós, pois admita: você já sentiu ciúmes do seu irmão com seus pais. 

A medida que a história vai evoluindo, outros personagens são apresentados como o ranzinza Hoggle, que supostamente deveria atrapalhar Sarah e Ludo, que aparentemente deveria ser um monstro. Nada dentro do labirinto de Jareth é que deveria ser, e logo Sarah vai aprendendo que as aparências ali podem enganar e muito. Até mesmo Jareth que deveria ser o vilão de toda a história, tem seu charme e carisma, sendo impossível não gostar até dele.  

“Muitas vezes, jovenzinha, parece que não estamos chegando a lugar algum quando, na verdade, estamos.”
“Bem, com certeza não estou chegando a lugar algum neste momento.”
“Talvez”, disse o Sábio, “talvez as coisas apenas pareçam ser assim. As coisas nem sempre são o que parecem.”

Ler Labirinto é como ler um conto de fadas, de uma forma maluca e muito diferente de várias histórias de fantasias que eu já li. O livro narrado em terceira pessoa, tem uma linguagem fácil, mas que flui de uma forma muito boa, não tornando a leitura vazia ou cansativa. É um daqueles livros para você se sentar perto da janela num dia chuvoso e ficar ali lendo e viajando dentro do labirinto. 

A edição da Darkside é lindíssima, com a capa que imita perfeitamente o livro que Sarah lê na história. É uma capa simples, mas marcante, se tornando uma das mais bonitas da minha estante. Alias o livro possui extras como ilustrações e anotações do autor, o que te ajuda a viajar ainda mais nessa história. 


“Dê-me a criança. Enfrentando perigos indizíveis e dificuldades sem conta, lutei para percorrer o caminho até aqui, ao castelo para além da Cidade dos Duendes, para levar de volta a criança que você roubou. Pois minha vontade é tão forte quanto a sua e meu reino igualmente grande e você não tem poder sobre mim.”

Leia o livro e assista ao filme. Os dois valem muito a pena e com certeza vão te transportar para sua infância.





Avaliação:



4 comentários:

  1. Não canso de falar que os livros da Dark são maravilhosos, e ainda não tenho este na minha coleção. Eu AMO demais o filme. Eu sempre ouvia falar dele, mas só assisti depois da Exposição do David Bowie que teve no MIS, onde tinha alguns itens do filme a mostra e o DVD para comprar na lojinha de lembranças. Jared se tornou um dos meus crushs ficticios e Dance Magic Dance. Amei sua resenha!

    Bites!
    Tary Belmont

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho a trilha sonora do filme no meu celular KK é muito boa e o Jared ai ai ♥

      Excluir
  2. Babe, eu morro de vontade de ler esse livro desde quando descobri que existia (que foi a pouco tempo). Eu amo a história e o Bowie <3
    Amei o seu blog, muito aconchegante.

    Beijos, Carol

    Supimpa Girl

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vira e mexe ele entra numa promoção! Leitura boa garantida!

      Aaa obrigada ♥

      Excluir